top of page

Relações Comerciais Brasil e Estados Unidos

Atualizado: 26 de abr. de 2023

Por Darlon Gomes


Com histórico abrangente de parcerias estratégicas, Brasil e Estados Unidos têm ampliado suas áreas de atuação em conjunto e mecanismos para a cooperação. Cooperação essa que teve início com o reconhecimento por parte dos EUA da independência do Brasil em 1826, sendo o primeiro país a o fazer. Desde então, a colaboração política e econômica se fortaleceu.


No âmbito econômico, essa parceria alcançou o montante de US$ 88,7 bilhões em 2022. As exportações representaram US$ 37,4 bilhões enquanto as importações somaram US$ 51,3 bilhões no período, tendo um déficit na balança comercial de US$ 16,9 bilhões. No ano de 2022 os EUA foram o terceiro maior parceiro comercial do Brasil, levando em conta a UE como unitária.





As exportações tiveram um crescimento de 20,2% de 2021 para 2022, sendo um recorde na série histórica que começou em 1997. Os principais produtos exportados em 2022 foram:


  • Petróleo bruto;

  • Produtos semimanufaturados de aço e ferro;

  • Café não torrado;

  • Ferro fundido bruto;

  • Aviões.




O volume de importações também foi ampliado, tendo um aumento de 30,3% entre 2021 e 2022. O ano de 2022 também obteve um recorde na série histórica das importações Brasil-EUA desde 1997. A pauta de importação foi:


  • Óleo diesel;

  • Gás natural liquefeito;

  • Petróleo bruto;

  • Turborreatores;



Para o CEO da Amcham Brasil (Câmara Americana de Comércio para o Brasil), “os resultados sem precedentes em todos os principais indicadores do comércio bilateral revelam o momento de forte dinamismo das relações econômicas entre os dois países, bem como o aumento da relevância dos Estados Unidos para o comércio exterior brasileiro”, e acrescentou que em 2023 a projeção é de estabilidade nos fluxos bilaterais.


A partir do laço de cooperação entre os dois países diversos setores econômicos têm se beneficiado. Um dos mercados que mais tem crescido é o de açaí, impulsionado pela popularização do fruto e seus derivados em todo o mundo, mas principalmente nos EUA, pode se tornar um ramo importante da economia brasileira.


Dados Fiepa - Federação das Indústrias do Estado do Pará mostram que as exportações de açaí cresceram 15.000% em 10 anos. Em 2018 os Estados Unidos foram responsáveis por adquirir 40% das exportações brasileiras de açaí, sendo o principal parceiro comercial brasileiro nesse mercado. Dessa maneira, a produção de açaí voltada ao público estadunidense só tem a agregar a nossa economia.


Brasil e Estados Unidos são as duas maiores nações das Américas e, portanto, devem cooperar a fim de buscarem melhores condições para ambos os países. Com isso, a relação e comercial entre ambos tende a crescer na medida que essa parceria estratégica é mantida, seja com produtos de alto valor agregado como os aviões, ou produtos primários como o açaí.


A Líderi Júnior disponibiliza soluções que te auxiliam a entender as oportunidades internacionais para o seu negócio, por meio de estudos de mercado, análise de conjuntura, logística e planejamento burocrático. Agende um diagnóstico gratuito com um de nossos consultores.







Fontes: Cnn Brasil; Comex Stat; usembassy.gov; G1.com; Grupo Serpa.


37 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page